BIM nos projetos de Recuperação Europeus:

BIM ajudará a otimizar os resultados dos projetos financiados com estes fundos.

Visão Geral Dos Fundos Europeus

Para ajudar a reparar os danos económicos e sociais causados pela pandemia do coronavírus, a Comissão Europeia, o Parlamento Europeu e os líderes da UE acordaram num Plano de Recuperação que irá liderar a saída da crise e lançar as bases para uma Europa moderna e mais sustentável.

O maior pacote de estímulos

O orçamento de longo prazo da UE, juntamente com a Next-GenerationEU, um instrumento temporário concebido para impulsionar a recuperação, será o maior pacote de estímulo alguma vez financiado pelo orçamento da UE. Um total de € 1,8 trilhão de euros ajudará a reconstruir a Europa pós-COVID-19, que será mais verde, mais digital e mais resiliente. O novo orçamento de longo prazo aumentará os mecanismos de flexibilidade para garantir sua capacidade de lidar com necessidades imprevistas. É um orçamento preparado não só para as realidades de hoje, mas também para as incertezas do futuro.

Plurianual 2021-2027, outra para o fundo de recuperação de 750.000 milhões de euros, denominado Next Generation EU (NGEU) e por último, 870.000 milhões de euros serão dedicados a outros fundos como o Grupo BEI, no qual o Banco Europeu de Investimento e o Fundo Europeu de Investimento unem forças para mobilizar financiamentos.

BIM nos projetos de Recuperação Europeus

Os Projetos Estratégicos de Recuperação e Transformação Económica (PERTE) são os mecanismos com os quais o Governo irá gerir parte do dinheiro dos Fundos Europeus.

Deve ter em conta que BIM é uma metodologia de gestão de projetos, BIM não é um fim em si mesmo, ele é usado para melhorar a gestão do ativo a ser construído ao longo de seu ciclo de vida.

Em outras palavras, BIM vai ajudar a otimizar os resultados dos projetos que são financiados com esses fundos de recuperação.

BIM nos critérios de um Projeto PERTE

Para a escolha dos projetos PERTE, uma série de critérios foram definidos, entre os quais eu entendo que o uso do BIM é claramente justificado e pode ajudar o projeto a ser selecionados:

1. Que representa um importante contributo para o crescimento económico, a criação de emprego e a competitividade da indústria e economia, tendo em conta os seus efeitos positivos no mercado interno e na sociedade.
A utilização do BIM exige novos perfis profissionais que vão claramente criar empregos e a sua utilização está comprovada e visa aumentar a competitividade do setor da construção, um dos setores menos digitalizados e com praticamente nenhum crescimento de competitividade desde então.

2. Permite combinar conhecimento, experiência, recursos financeiros e agentes económicos, a fim de remediar importantes deficiências sistémicas no mercado e desafios sociais que não podem ser enfrentados por qualquer outra forma:
Todos os envolvidos na gestão de um projeto de construção estão envolvidos na implementação do BIM. Desde a Administração Contratante, aos subcontratados, tanto na fase de elaboração do projeto, na fase de construção como na fase de exploração.
A exigência do BIM no PERTE, pode ajudar a quebrar o círculo vicioso da exigência de uso do BIM e “remediar esta importante deficiência” que está levando ao fato de que o BIM não é exigido pelas Administrações Públicas e as empresas não investem nele.

3. Que tenha um importante carácter inovador ou contribua com um importante valor acrescentado em termos de I + D , por exemplo, possibilitando o desenvolvimento de novos produtos, serviços ou processos de produção.

4. Que seja quantitativa ou qualitativamente significativa, de tamanho ou alcance particularmente grande, ou que envolva um nível muito alto de risco tecnológico ou financeiro. O Grupo de Trabalho EUBIM apoiado pela Comissão Europeia reconhece os benefícios da utilização do BIM e que, sendo as Administrações Públicas as principais entidades adjudicantes, serão as que obterão os maiores benefícios económicos com a sua utilização. Estima uma poupança de 130.000 milhões de euros no setor da construção da União Europeia.

5. Que favorece a integração e o crescimento de pequenas e médias empresas, bem como a promoção de ambientes colaborativos. O BIM afeta toda a cadeia de valor do setor da construção e uma das suas definições inclui o trabalho colaborativo entre todos os envoltos no processo. A necessidade de investimentos iniciais significativos para a introdução do BIM torna muitas pequenas e médias empresas relutantes em dar esse passo, por isso os PERTE têm a possibilidade de promover este passo para a integração e crescimento dessas empresas. Isso também se aplica a pequenas Administrações que mostram relutância em usar o BIM pelos mesmos motivos.

BIM ajuda a especificar os PERTE

Uma vez que os critérios foram revisados, pode-se afirmar:

  • Que a introdução da utilização do BIM na gestão de projetos de construção ou na gestão de ativos construídos está totalmente alinhada com os requisitos da escolha do PERTE.
  • O requisito BIM é um requisito a ser adicionado na execução do projeto e não afeta o final do projeto, mas pode ajudar a classificá-lo.
  • Pequenas administrações e as pequenas e médias empresas são as entidades com maior dificuldade de implementação do BIM, principalmente por falta de recursos, e o PERTE pode ajudar a dar o passo de que irão se beneficiar no futuro.
  • Na Europa o requisito de BIM está bastante estabelecido, empresas espanholas que atuam no exterior já o têm incorporado nos seus processos. A implantação do BIM está atrasada devido à urgência dos prazos de execução dos Projetos. Os PERTE europeus são uma prioridade, seria um absurdo aumentar a lacuna tecnológica no setor da construção.
  • Se, como Administração Contratante, você decidir incluir os Requisitos de BIM nos seus contratos, ter assessoria especializada ajudará a definir claramente o alcance do seu projeto para que seja avaliado corretamente.

As datas-chave para a implementação do plano europeu de recuperação

“Não há dúvidas sobre o“ carácter inovador ”que o BIM implica, e que a sua utilização implica, sem dúvida,“ o desenvolvimento de novos produtos, serviços e processos produtivos”.

O plano de recuperação e resiliência de Portugal é o primeiro plano

A ser apresentado oficialmente à Comissão Europeia

«É agora ainda mais importante lançar o NextGenerationEU. A recuperação económica deve ser acompanhada de uma melhoria da situação sanitária no terreno. Congratulo-me com o plano de recuperação e resiliência de Portugal, que é o primeiro plano oficialmente apresentado à Comissão. Esta apresentação marca o início de uma nova fase do processo de implementação do Mecanismo de Recuperação e Resiliência. A Comissão aguarda com interesse a avaliação do plano português, que incide na resiliência e nas transições digital e ecológica e que inclui projetos em quase todos os domínios emblemáticos europeus.»

Ursula von der Leyen, Presidente da Comissão

O seu projeto inclui as Soluções BIM da Autodesk?

Confie nos revendedores autorizados da Autodesk

Se estiver interessado em saber mais sobre os Fundos Europeus, preencha este formulário para que um especialista autorizado da Autodesk possa ajudá-lo a tornar a digitalização da sua empresa numa realidade e fazer da sustentabilidade a chave do seu sucesso

SAIBA MAIS

Para aconselhamento entre em contato connosco:

CONTATAR

Sobre o Autor:

Compartilhe este conteúdo

Entradas recentes